Quando os emudecidos gritam

Por: Renato Corrêa

Noite de 4 de agosto de 2011. Mark Duggan, inglês de 29 anos, é morto a tiros pela polícia em circunstâncias não esclarecidas.

Duggan era um jovem pai de família, sua esposa conta que ele idolatrava os filhos. Pessoas da mesma comunidade (em Tottenham) mostravam-no como exemplo a ser seguido.

Um tablóide logo tratou de defender a polícia: “ele tinha envolvimento com grupos ilegais, seria preso, reagiu e foi morto”.

Ao receber essa informação a comunidade se revolta. Parentes e amigos de Duggan marcham até a delegacia para pedir explicações. Focos de violência se espalham pelo bairro e, posteriormente, pela cidade.

A televisão diz que são arruaceiros. Os reacionários dizem que o assassinato de Mark não justifica mais violência. Os mais desavisados esbravejam que as lojas não têm nada com a morte do rapaz. Como não?

A história britânica, que explica isso, guarda diversas semelhanças com situações brasileiríssimas. Bairros são abandonados e servem de guetos para quem a sociedade dominadora não deseja (pobres, índios, homossexuais, negros e outras minorias), o serviço público perde presença, não há perspectiva e a falta de oportunidades assola. Tottenham é assim.

Este bairro é um entre centenas, milhares, às vezes cidades inteiras, que estão a tempos clamando por atenção. A voz de seus moradores foi apagada. Seus direitos são constantemente negados. A humanidade é colocada à prova.

Não foi a primeira vez que os emudecidos gritaram na Inglaterra

Em outubro de 1985, no mesmo bairro, uma jovem-senhora afro-caribenha, de 49 anos, sofreu um ataque cadíaco durante uma invasão policial em sua casa e morreu. A população — que na semana anterior vira, novamente em uma “busca” policial, o assassinato de outra mulher negra — revoltou-se e caminhou para o que hoje chamamos de “Broadwater Farm Riot”.

A morte de Duggan foi apenas o pavio. Jovens pobres, moradores de regiões periféricas de Londres, negros, imigrantes e tantos outros saíram às ruas. Carros foram queimados, lojas saqueadas e a polícia foi enfrentada.

Baderneiros, criminosos, oportunistas? A mídia diz, mas ela sempre diz o que lhe convém, mesmo sem dever, afinal ela exerce um papel considerável na formação de opinião e, com essa força, direciona os confrontos para onde mais lhe será útil. Isso não muda de acordo com o continente: a grande mídia SEMPRE defende interesses políticos nefastos.

Até quando tentaremos calar as pessoas que sofrem com os problemas que criamos? Como dito: Mark Duggan foi apenas o pavio. NÓS enchemos o barril de pólvora.
Pólvora de preconceito, medo e isolamento. Pólvora de políticas segregacionistas. Pólvora de uma dominação — que está por cair.

Atenção! É hora de pararmos de pensar em como baixar a febre. Febre nunca foi O problema, o problema é o que causa a febre.
Não podemos perder tempo imaginando como passar por um protesto, se devemos punir ou não e como faremos isso.
Temos que unir nossos esforços numa discussão mais ampla, entender o motivo pelo qual ainda insistimos num modelo político/econômico falho, que causa desigualdade, alimenta preconceitos e violência.

Eles não estão fazendo arruaça ou baderna. Eles estão gritando. Gritando por seus direitos. Gritando pela liberdade que lhes fora roubada. Eles gritam contra a opressão.

Um senhor, com visão de mundo absurdamente mais apurada que a nossa, deu o recado: “todos foram avisados de algo muito sério acontecendo” e quando questionado sobre os protestos, bradou: “Eu não chamo isso de baderna. Chamo de INSURREIÇÃO…”

Anúncios
Etiquetado , , , , ,

2 pensamentos sobre “Quando os emudecidos gritam

  1. Amanda disse:

    Realmente, são todos marginais.
    Marginais pois vivem à margem dessa sociedade suja, e não aceitam seus princípios sem princípios. O problema é a pressão que a mídia, que o governo, e que a sociedade em si faz em cima dessas pessoas que viveram mediocremente calados, não se pode falar e gritar é errado, então guardem suas mágoas e morram engasgados, é isso que eles querem.

  2. Vnunes disse:

    A sociedade, que se diz democrática, deveria dar ouvidos a essa classe social posta em isolamento, e entender os motivos pelos quais os tachados incultos se encontram nessa situação..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: